Estratégias para gerir o seu trabalho de freelancer em part-time

Quando pensamos em iniciar a nossa carreira de freelancer, geralmente temos duas hipóteses: abandonar o emprego e arriscar tudo ou aos poucos ir preparando a negócio como freela enquanto trabalha em outro local a full-time. Sempre indiquei para os leitores do blog que a segunda opção seria a melhor. Não só pelo menor risco financeiro que envolve, mas também pela maior preparação que permite ao empreendedor. É que nem sempre esse negócio que você sonha ser o seu futuro é, literalmente, a melhor opção. Por vezes você pode pensar que tem força de vontade, capacidade de organização ou que tem “queda” para o negócio para iniciar um projeto, mas isso pode não corresponder à verdade.

Essa confusão acontece porque grande parte das pessoas jamais experimentou a sensação de ter algo seu e do trabalho que dá construir uma marca de destaque no mercado. Levar um negócio ao sucesso exige muito trabalho, dedicação e uma vontade constante de aprender. Em alguns casos, as pessoas são motivadas a começar algo apenas pela insatisfação do seu emprego actual. É certo que grandes ideias de negócio surgiram porque os seus criadores não estavam satisfeitas com a sua actual situação profissional. No entanto, essa mudança drástica deve ser medida com cuidado, para que os prejuízos causados por um negócio que não dê certo, sejam mínimos.

COMO COMEÇAR UM NEGÓCIO PART-TIME

O primeiro pensamento que deve ter em mente é que o fato de começar um projeto em part-time protege-o de vários problemas. Você continuará recebendo dinheiro do seu emprego full-time, sente menos pressão para conseguir clientes e tem mais tempo para amadurecer a sua ideia. O único ponto negativo é que irá obrigá-lo a trabalhar mais tempo do que o normal. Em vez de ficar vendo televisão ou passar um fim-de-semana sem fazer nada, você terá de utilizar esse seu tempo “morto” para fazer crescer a sua ideia.

Mas eu não considero esse trabalho extra como algo completamente negativo. Isto porque enquanto empresário, você terá sempre que saber lidar com o fato de não ter horário fixo ou de ter de trabalhar enquanto os outros estão descansando ao domingo. Isso faz parte da vida de qualquer pessoa que tenha um negócio próprio. Desta forma, e mesmo trabalhando a part-time, você ja estará tendo uma noção do que é necessário para triunfar no mercado.

LEIA O ARTIGO COMPLETO NO ESCOLA FREELANCER


Como conseguir mais respostas positivas dos seus clientes

Como freelancer, é essencial que você consiga ter um grande número de clientes. Mais clientes significam mais negócios, que consequentemente são sinônimo de mais dinheiro. O que acontece é que nem sempre esta fórmula é assim tão linear. Ou seja, o fato de ter um grande número de pessoas interessadas nos seus projetos, não significa que elas aceitem prontamente trabalhar consigo. É naquele momento entre o contato do cliente e a apresentação da sua proposta que grande parte dos freelancers falham. Compreendo que não seja fácil conseguir transformar uma ideia de outra pessoa em algo palpável, como a construção de um site ou um trabalho jornalístico.

No entanto, existem algumas técnicas que o podem ajudar a aumentar o número de respostas positivas por parte dos seus clientes. Os freelancers mais experientes, repararam, regra geral, que com o passar dos anos foram adquirindo princípios que os ajudaram a tornarem-se mais eficientes no contato com os clientes. São algumas técnicas que, de forma inconsciente, os ajudaram a convencer mais facilmente as pessoas interessadas que aquele produto deles valia mesmo a pena. Estes são princípios que se aplicam a qualquer pessoa que tenha interessa em vender um produto na sua área, seja ele uma publicidade num blog ou um um conjunto de fotografias.

clientes positivos

É NORMAL ERRAR NO INÍCIO

Um ponto que o leitor precisa de perceber antes de começar a ler algumas das regras que deve seguir é: todos erramos no início. À exceção daquelas pessoas que têm o dom natural para as vendas, todas as outras se sentem um pouco perdidas na hora de vender alguma coisa. Todos os freelancers ouviram muitos “nãos” quando começaram a negociar com clientes. Com o passar dos anos, talvez aquelas propostas conseguissem ser transformadas em negócios reais. Mas estes erros e falhas fazem parte do processo de crescimento de qualquer profissional desta área. Apenas com elas, poderá evoluir a sua capacidade negocial com os clientes.

Acima de tudo, torna-se necessário que tente constantemente aumentar os seus conhecimentos sobre marketing no início da sua carreira. Como referi no meu artigo sobre os 10 maiores erros que os freelancers cometem no início de carreira, existem algumas falhas você terá de cometer no início. Pode tentar evitá-las, mas isso não faz com que fique imune a elas, apenas reduz a probabilidade que elas aconteçam.

Contudo, existe um erro que você deve evitar: o de não conhecer outras áreas. Já expliquei várias vezes que aqui no blog que os freelancers precisam de ter outro género de conhecimentos, sejam elas sobre CEO, escrita de textos para blogs ou venda de produtos. Todas elas fazem com que você fique um profissional mais competente. De que vale um freela ter fotografias fantásticas, se depois não tem todo o conhecimento necessário para colocá-las à venda no mercado? De que lhe vale uma ideia de negócio inovadora se não sabe como torná-la num produto eficaz para os consumidores? E por aí adiante. Existem inúmeros profissionais com um talento invejável, mas que não sabem transmitir isso em vendas.

Aqui em Portugal, em tempos de crise existe uma área que continua com bastante procura: a dos comerciais. Por mais falta de dinheiro que exista, as empresas continuam com a necessidade de vender. Apenas comercializando de um modo eficaz aquilo que você faz, conseguirá ter o retorno completo do seu trabalho. De que vale um blog com milhares de visitas se ele não é rentabilizado? Como freelancer, siga todos os passos com muita calma, mas não se esqueça de afinar o das vendas, que é decisivo para a manutenção do seu negócio a longo prazo.

TRABALHE ANTES DO CLIENTE CHEGAR

A primeira dica que tenho para quando o assunto é aumento de conversão de vendas é que estude muito antes dos clientes chegarem. Isso passa por vários pontos, como:

  • Organizar o portfólio
  • Ter um local onde receber o cliente (caso isso seja necessário)
  • Procurar por outros freelancers que tenham trabalhado com ele
  • Procurar um pouco sobre ele no Google ou nas redes sociais. Hoje em dia com o Facebook, por exemplo, podemos ter uma ideia geral dos gostos das pessoas

Mas acima de qualquer uma destas regras, é importante você fazer uma análise através da Lei de Pareto. Ou seja, tente ver de que forma você falou com os clientes anteriores e quais é que fecharam um acordo consigo. Faça algumas destas questões:

  • Quanto tempo demorei a retornar o contato?
  • Como ele foi feito: por celular ou email?
  • O que eu me preocupei primeiro em explicar?
  • Qual foi a forma que ele chegou até mim? Através de publicidade, outro freelancer ou redes sociais?
  • Que género de trabalho eu apresentei?

Ao fazer algumas destas questões (poderá fazer tantas outras), você consegue criar um padrão de atitudes suas que o ajudaram a levar ao sucesso. Atenção, que isto não garante que você consiga ter sucesso com todos os clientes que fala, mas com certeza irá ajudá-lo a aumentar as suas probabilidades de sucesso.

Funciona mais ou menos como as estatísticas para as apostas nos esportes. Você poderá fazer uma análise aos jogos dos times, verificar quais os jogadores que vão jogar ou quantos golos aquele time costuma marcar. Mas isso não elimina o risco da derrota, apenas aumenta as probabilidades de você acertar. Para começar a converter os seus contatos com clientes em vendas, agarre numa pequena folha de excel e responda a algumas questões que colocar. Depois, tente encontrar um padrão de sucesso. Sei que isto pode dar muito trabalho e demorar bastante tempo, mas se isso significar mais vendas, com certeza mais tarde nem se irá lembrar do tempo investido.

CUIDADO COM A ABORDAGEM DO PREÇO

Os clientes normalmente recuam numa proposta baseando-se em dois princípios: o preço ou a qualidade do produto. Os clientes que procuram melhor qualidade, normalmente não são muito problemáticos quando falamos do preço. Já os que se preocupam mais com o preço, geralmente preferem deixar a qualidade um pouco de parte. Nós aqui no blog sempre preferimos por a qualidade em prol da quantidade, aconselhando a criarem produtos mais caros mas de melhor qualidade. Vamos supor que o preço tem sido um entrave para si. Todas as vezes que você apresenta uma proposta, ela acaba por agradar completamente ao cliente, mas a questão do preço deixa-o sempre de pé atrás.

Para estas situações, vamos lhe deixar um conselho importante: diga o preço apenas no final. A nível psicológico, esta estratégia funciona melhor do que falar sobre o custo do negócio a meio da conversa. Organiza-se, dizendo tudo o que pretende fazer primeiro e passe para o preço apenas no fim. Seja o mais explícito possível. Conte-lhe todos os pormenores do seu trabalho, tudo o que o cliente tem a ganhar com isso e quais as vantagens em ter um produto desta qualidade. Se ele ficar maravilhado com aquilo que estiver a ver, mais dificilmente ele irá pensar duas vezes antes de recusar a sua proposta. Os pensamentos dele vão funcionar mais ou menos desta forma: “O que eu tenho aqui é algo completamente fantástico. Será que não vale a pena pagar um pouco mais mas ter algo do outro mundo?”. Para que este género de pensamentos surjam, é importante você apresentar mesmo algo de sobrenatural.

Outro dos cuidados que você deve ter é o de tomar a iniciativa de dizer o preço. Se estiver constantemente à espera de dizer quanto vai custar todo o seu trabalho, poderá passar ao cliente uma sensação de que está com receio desse momento. Diga o preço depois da explicação do seu projeto, mas tenha o cuidado de ser você a dizê-lo.

VENDA OS BENEFÍCIOS

“Quando vendemos um produto não vendemos o produto em si, mas sim os benefícios que ele possa trazer para a pessoa que o compra”. Esta frase ajuda-o a entender quais são os princípios que estão por detrás da venda de qualquer coisa neste mundo. Quando adquire um carro, você não está comprando o carro, mas sim os benefícios que tem com ele: o conforto, o baixo combustível ou a segurança. Esta atitude também deve estar presente na venda de um serviço de freelancer.

Em primeiro análise, você deve tentar perceber em que área você é mesmo superior. Escreve melhor? O design dos seus sites é o mais bonito? O seu serviço é rápido? Antes de vender para o cliente, tente convencer-se a si mesmo do que pode comercializar. É melhor ter uma perspectiva e saber o que está vendendo, do que tentar dar tudo de bom ao cliente e não o deixar espantado com absolutamente nada.

positivismo

FACILITE O PAGAMENTO

Quando temos preços mais altos que a concorrência, é normal que os clientes sintam dificuldade em conseguir pagar todo o trabalho de uma só vez. Por isso, é importante que você tenha alguma forma alternativa de pagamento, seja ela cartão de crédito, cheques ou pagseguro. Isso aumenta as chances de você conseguir fechar o negócio. Por essa razão, vemos muitas vezes na internet as parcelas de um produto em números tão grandes e o preço final bem mais pequeno. A nossa mente aceita mais facilmente essa imagem e acaba se esquecendo de somar estas parcelas mais pequenas, facilitando a compra do produto. “O seu site vai custar 2000 reais, mas se comprar através do pagseguro pode parcelar e pagar 200 reais por mês”. A diferença entre ouvir um “2000″ ou “dez parcelas de 200 reais” torna decisão do cliente bem mais fácil naquele momento.

Até porque se você não der essas opções para o seu cliente, o mais normal é que ele prefira procurar um produto de menor qualidade, mas que ele consiga fazer o pagamento na hora.

Importante: Tenha bastante cuidado com a forma como parcela os seus pagamentos. Situações de clientes que passam cheques sem fundo no banco são bastante comuns. Na dúvida, opte sempre por formas eletrônicas de pagamento, que além de fazerem com que perca menos tempo em cobranças, ainda lhe garantem maior segurança

PERCEBA O QUE O CLIENTE PRETENDE

Os clientes nem sempre têm uma perfeita noção daquilo que pretendem. Por vezes eles dizem que pretendem um logotipo, mas no final de contas querem um logotipo , um slogan e um cartão de visita. Isso é algo normal, pois muitas vezes as pessoas que não são da área, não têm total noção do que as palavras significam. Esclarecer perfeitamente aquilo que o cliente pretende é essencial para que você apresente o projeto e ele seja aceite à primeira oferta. Tem menos trabalho e agrada ao cliente na primeiro oferta. Andar constantemente a apresentar propostas pode parecer que você não tem total noção do que está a fazer.

COLOQUE O PREÇO UM POUCO ACIMA DO HABITUAL

Negociar também faz parte do seu trabalho de freelancer. E tal como qualquer vendedor nato, você precisa de ter alguma margem de manobra para conseguir baixar o valor quando achar que assim é necessário. Por isso, considere por o preço ligeiramente acima do normal. Se o seu trabalho vai custar dois mil reais, opte por tentar vender por dois mil e duzentos. Isto porque os clientes, se forem experientes, vão tentar baixar os custos até ao máximo. Se você trabalha com esse género de pessoas, necessita de ter alguma margem de manobra. Ao colocar o preço exatamente como você acha que o trabalho vale, fica com poucas possibilidades de negociar.

Ceder faz parte de qualquer tentativa de acordo. Ao afirmar que “o preço é este e ponto final”, ele pode ficar com uma sensação rude da sua pessoa. Pelo contrário, se mostrar disponibilidade para fazer essa “favor” e baixar o preço ao cliente, irá passar uma boa imagem.

TENHA VÁRIAS OFERTAS

Outra das formas de você aumentar as suas respostas positivas por parte dos clientes é ter várias ofertas. Imagine novamente, que está construindo um site. Mostre-lhe o projeto com vários extras. Se tiver contas personalizadas no Facebook e Twitter como oferta fica a um preço, se tiver mais um determinado número de plugins instalados no site, custa outro e por aí adiante. Deste modo, não prende o cliente a apenas uma decisão, mas sim a várias, que se podem adaptar às possibilidades financeiras dele.

TENHA OUTROS FREELANCERS EM VISTA

Um “não” nem sempre significa que você não ganhe dinheiro com o negócio. O meu conselho é que tenha sempre uma pequena lista de freelancers de confiança que façam o mesmo tipo de trabalhos que você, mas a um preço mais baixo. Fale com eles, explique-lhes a situação e encaminhe o seu cliente para eles. Com esta opção, você não estará fugindo do seu tipo de trabalho (que são os trabalhos mais caros mas de maior qualidade) e ainda estará arrecadando mais alguns reais com isso. Deste modo, mantêm o seu negócio de freelancer fluindo sem que tenha de se preocupar muito com isso.

E VOCÊ, TEM TIDO SUCESSO COM OS CLIENTES?

Como pôde ver, vender não é um passo assim tão simples. Precisa de se preparar, saber onde é mais forte e ter algumas noções sobre negociação com os clientes. Com este artigo, dei-lhe alguns princípios de como deve fazer para conseguir mais respostas positivas dos seus clientes. Contudo, isto não é suficiente. Você necessita de praticar, ouvir muitos “nãos” e perceber onde pode ser mais eficaz. E também não se esqueça que cada cliente é um cliente. Uma estratégia que funciona com o “A”, pode não funcionar com o “B”. Mas é certo que existe um padrão que o pode ajudar a aumentar o número de contatos que terminam em vendas. Tente encontrar o seu padrão.

E você, que técnicas costuma utilizar para negociar com os clientes? Se conhece alguma que não tenhamos referenciado, aproveite e deixe a dica para outros leitores.

Abraço e boas vendas

Luciano Larrossa
Escola Freelancer


10 lições sobre negócios que podemos aprender com Gary Vaynerchuk

Qualquer pessoa que pretenda chegar longe no mundo dos negócios precisa de ter alguns ídolos para se espelhar. É importante conseguir olhar para alguém e saber que dentro de alguns anos, queremos ser como aquela pessoa. É uma excelente forma de motivação e que nos ajuda a ter uma linha orientadora dos nossos princípios. Uma das pessoas que mais me inspira no dia-a-dia é Gary Vaynerchuk. Este empresário tem uma energia fantástica e foi dos primeiros a conseguir um sucesso estrondoso através da utilização de um videolog, fazendo análises de todos os gêneros de  vinhos. Se você adora saber histórias sobre empresários de sucesso, considere ler alguns dos nossos artigos relacionados com esse tema:

COMO COMEÇOU

A família de Vaynerchuk mudou-se da Bielorrússia para os Estados Unidos em 1978. Esta mudança aconteceu devido à vontade do seu pai, Sasha, que quis seguir os passos do seu tio-avô. Empreendedor nato, o seu pai sempre teve a ideia que os EUA seriam um ótimo país para se começar um negócio e garantir um futuro para a sua família. No entanto, nem tudo aconteceu como esperado. Naquele ano, a crise e o desemprego tinham crescido no país e o emprego de construtor civil que o pai de Gary tinha conseguido desapareceu em poucos meses. Perante as dificuldades, os pais de Gary viram-se obrigados a pedir ajuda à família do tio-avô, que conseguiu emprego no armazém de uma das suas lojas de bebidas, em New Jersey.

A assimilação cultural dos Vaynerchuk aconteceu de forma rápida, mas em casa ainda viviam como se fosse na Bielorrússia. A mãe recusava-se a fazer empadão de carne como as mães americanas, não tomavam chá e se tivessem doentes, esfregavam o peito com vodka. Caso tivessem uma ferida na mão, urinava-se para a zona. Vaynerchuk mais tarde admitiria que alguns destes hábitos “difíceis”, tornaram-se essenciais para crescer enquanto empresário.

Em pouco tempo, Sasha foi promovido e tornou-se gerente da pequena lojas de bebidas em Clark. Em 1983, comprou um estabelecimento do tamanho de um escritório juntamente com um sócio e alargou as instalações dessa loja para mais de 370 metros quadrados. Anos mais tarde, este local daria espaço à Wine Library de Gary. O trabalho árduo de Sasha deu resultado em poucos anos: em 1978 a família não tinha dinheiro e não sabia falar inglês; em 1985, Gary foi a primeira criança da sua escola a ter uma Nintendo.

Apesar de não ter convivido muito com o seu pai, este futuro empresário tinha muitas parecenças com o progenitor. Gary confessaria, mais tarde, que o pai foi o seu exemplo e que o levou a ter vontade de abrir o próprio negócio. Só havia uma coisa que este bielorrusso adora mais do que fazer negócios: os New York Jets. Em alguns videos do seu site, é possível ve-lo a beber vinho no capacete desta equipa ou falar com uma camisa do time por trás.

gary vaynerchuk

O ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Com 8 anos, Gary já tinha sete bancas de limonada e já ganhava um dinheiro considerável para alguém da sua idade. Mas a sua primeira grande experiência aconteceu com o basebol. A sua mãe levou-o a uma feira, onde comprou alguns maços de figurinhas de basebol, juntamente com um guia dos preços dos cromos. Este guia revelava que as figurinhas que ele tinha comprado tinham um valor específico. Quando chegou à escola, começou a vende-las. Ganhou mais do que com as bancas de limonada.

Num certo dia, os responsáveis do centro comercial anunciaram que iam organizar uma feira de figurinhas de basebol. Por isso, pediu ao seu pai mil dólares. Pegou na quantia que lhe foi emprestada e investiu nas figurinhas. O problema é que quando ele abriu a caixa, viu que as figurinhas não valiam mais de 200 dólares. Mesmo com este contratempo, Gary decidiu ir em frente. A sua mãe levou-o para a feira. Ele e mais os seus dois sócios foram procurar uma banca para vender as figurinhas. Quando o proprietário da banca lhe disse que o aluguer custava 150 dólares, ele fechou acordo, perante a expressão boquiaberta dos seus sócios.

Quando chegou a casa, Gary contou, entre lágrimas, a experiência aos seus pais. Mas a verdade é que eles pouco lhe disseram. O seu pai, apenas aconselhou-o a aprender com a experiência. O jovem empresário foi de seguida para o seu quarto, determinado a pensar numa estratégia para provar ao seu pai que aquilo não era apenas uma experiência e que ele iria vencer.

No dia seguinte, montaram a sua banca e a primeira coisa que fizeram foi uma pesquisa de mercado. Gary circulou todo o recinto da feira para verificar o que as outras pessoas vendiam. Depois disso, reajustou o preço para que ficasse mais barato do que todas as outras bancas. O resultado final: arrasaram a concorrência e conseguiram juntar bastante dinheiro. Desde esse momento, participaram em todas as feiras que puderam. Com isso, Gary aprendeu a sua primeira lição sobre negócios: “A escassez gera desejo”. Em três ou quatro meses, pagou os mil dólares ao seu pai e ainda conseguiu ganhar bom dinheiro.

A MUDANÇA

Aos 16 anos, Gary começou a trabalhar com o pai. Passou de rei das figurinhas a embalador de gelo por dois dólares à hora. Gary não podia beber vinha nem dar conselhos, mas cada vez que o negócio estava mais calmo, ele aproveitava para aprender um pouco mais sobre a área. Em pouco tempo, passou para o piso de cima, onde trabalhou como caixeiro. Nesta fase, aprendeu mais duas lições sobre negócios. A primeira foi que “beber vinho é um sinal de distinção cultural, tal como coleccionar figurinhas de basebol”. A segunda foi que existia um padrão: as pessoas entravam para comprar o Absolut ou o Johnnie Walker. Por mais que o funcionário falasse sobre outras marcas, eles acabariam sempre por levar uma garrafa de Absolut ou Johnnie Walker.

Quando completou 18 anos, a sua mãe perguntou-lhe que curso ele queria tirar. Um pouco contra a sua vontade, Gary inscreveu-se na universidade. Ironia do destino, foi lá que ele conheceu uma ferramenta que lhe iria dar muita utilidade no futuro: a internet. Em Setembro de 1995, um colega mostrou-lhe como funcionava. Ele esperou que os colegas saíssem dos chats e marcassem encontros com as amigas, para depois passar nove horas a pesquisar sobre fóruns de figurinhas e a pensar como iria utilizar a internet para fazer crescer a loja. Demorou pouco mais de um ano para convencer o seu pai a abrir a WineLibrary.com. O lançamento aconteceu em Junho de 1997. A loja rendia cerca de 2 a 3 milhões de dólares por ano em 1994. Quando Gary passou a dedicar-se a tempo inteiro à loja, depois de se licenciar, fez crescer o negócio de 4 para 10 milhões de dólares por ano, sem qualquer venda on-line.

Em 2001, o negócio já faturava 20 milhões ao ano. No entanto, este empresário não estava satisfeito. Nessa altura, a WineLibrary já tinha um departamento informático a trabalhar para si. Foi então que Gary ouviu falar dos videoblogues. Essa novidade fez-lhe florescer ideias na cabeça: E se eu utilizasse os videos para mostrar às pessoas que há algo mais para se beber do que vinho australiano? Deixou passar algum tempo e em 2006 lançou a WineLibraryTV.

AS 10 LIÇÕES QUE PODEMOS APRENDER COM GARY VAYNERCHUK

Em seu livro Crush it! além de contar a sua história, Gary mostra alguns dos princípios sobre negócios que o ajudaram a atingir todo este sucesso.

1. A PAIXÃO É TUDO

Enquanto todos ficariam contentes com uma pequena loja em New Jersey, Vaynerchuk quis mais. E essa vontade de crescer foi o que lhe permitiu ter tanto sucesso com o seu site e crescer como empresário. Quando começou com a sua loja on-line, ele conhecia tanto de Facebook ou do Twitter como uma pessoa normal. “Poucos talvez tenham noção de tal coisa, mas nos dias de hoje é bem mais simples atingir o sucesso em qualquer área do que antes. Nunca será fácil, mas agora o processo está um pouco mais facilitado”, referiu o empresário.

No seu livro, ele faz uma a comparação com a loja física e com a on-line. Enquanto na primeira precisou de gastar milhões de dólares em publicidade no New York Times e em outras publicações, para o seu site ele “apenas” teve de investir 15 mil dólares. Ele também explica que nem é necessário grandes conhecimentos de internet ou de SEO. Para Gary, a paixão naquilo que faz é essencial. Se você for realmente bom, as pessoas vão reparar em si mais tarde ou mais cedo.

2. O SUCESSO ESTÁ NO SEU DNA

Quem já viu os videos de Gary, sabe o quanto ele é expontâneo. Grita, fala rápido e descreve os vinhos de uma forma pouco discreta. Segundo o próprio, esta é mesmo uma das chaves para o sucesso. “Muitas pessoas ignoram o seu DNA para cumprirem o que a sua família ou a sociedade espera delas”, descreve o empresário no seu livro Crush it!. E é este “entrave” psicológico que muitas vezes as pessoas têm antes de tentarem arriscar num negócio próprio. Começam a pensar no que os outros vão comentar ou o que acontecerá se não tiverem sucesso. Por essa razão é que alguém que nasceu para desenhar bicicletas acaba por se tornar um advogado ou alguém que adora maquilhar, acaba trabalhando atrás de uma caixa de supermercado. Eu mesmo estou há algum tempo só a viver da internet. Muitos me chamaram de louco. Mas loucura, para mim, seria passar a vida inteira a fazer algo que não me motiva a acordar pela manhã.

Gary refere no livro que o incomoda mais é “ver pessoas acomodadas a passar a vida inteira num emprego que detestam, em nome de um ordenado ou de um sentido de responsabilidade. Com a internet já não existe desculpa para uma pessoa ser diferente entre aquilo que é e aquilo que faz”.

3. CRIE A SUA MARCA PESSOAL

Já no artigo de ontem sobre os 20 princípios para criar uma pequena empresa referi este ponto, mas nunca é demais lembrar. Quem trabalha através da internet, é importante que comece a criar uma imagem perante o público. Mas essa imagem não tem de ser apenas do seu autor, mas sim do negócio que representa. Quando olham para o seu negócio, que imagem é que os seus clientes têm dele? O que lhes vem à cabeça é o logótipo, o slogan ou a imagem do proprietário da empresa?

Outro fator que ele realça é o fato de a maneira como divulgamos a nossa imagem estar a mudar. Antigamente, as pessoas famosas apareciam nos jornais ou na televisão. Hoje em dia, o Facebook e o Twitter têm esse trabalho. Por isso, devemos ter bastante cuidado e saber gerir a nossa imagem na internet. Se você trabalha com blogs ou tem um site, tenha cuidado com o que transmite. Não deixe de ser autêntico, mas o tempo de ficar dizendo coisas sem interesse no Orkut ou no Facebook já passou. As redes sociais passaram a ser uma ferramenta de trabalho.

crush it

4. CRIE GRANDES CONTEÚDOS

Peço ao leitor para prestar muita atenção a este ponto, pois a meu ver é um dos mais importante de todo o livro. É certo que se tornou muito fácil criar um negócio na internet. Mas tal como em qualquer mercado, quando há um excesso, acaba por existir uma regulação. Ou seja, se existirem muitas pessoas trabahando como jornalistas freelancer, chegará um momento em que só os melhores ficarão para se destacar e ganhar bastante dinheiro. O que quero dizer com isto, é que esta facilidade que se gosta de vender na internet, não passa de uma mentira. O tempo em que se criava um blog, tinha-se umas noções de SEO e ganhava-se bom dinheiro, já passou. Agora a concorrência é muito maior. Mesmo a Escola Freelancer ao seu início acabou sentindo isso mesmo.

Um dos avisos que Gary deixa no seu livro é para que se concentre principalmente naquilo que faz. “Você pode ser muito ativo e colocar no mercado e em rede tudo o que quiser, mas se a sua bebida energética sabe mal ou se fornece más informações, não terá sucesso”. Por isso, tenha grandes conteúdos para que possa vender o seu produto de um modo mais eficaz. Estudo, leia ou assine newsletters. Para vingar na internet hoje em dia, o conteúdo tem de ser o melhor.

5. CRIE UMA COMUNIDADE

Este é um dos pontos em que Gary Vaynerchuk é dos melhores a nível mundial: a criar comunidades. Ele é seguido por milhões de pessoas em todo o mundo. Só no Google Plus, tem mais de 400 mil pessoas que o acompanham! “Muitas pessoas ficam absorvidas em fabricar conteúdo para os seus blogues. Mas criar o conteúdo deve ser a parte mais fácil. É claro que o seu produto deve ser tão bom quanto possível, mas também deve ser o elemento que menos tempo consome de todo o seu esforço. Aquilo que faz depois de gravar um video ou de escrever um post constitui a essência do jogo”.

Criar uma comunidade nem sempre é tão fácil como parece. É necessário horas a fio ligado ao computador, interação com as outras pessoas e uma capacidade comunicativa muito boa. “Todas as noites, depois de filmar um episódio, costumava passar oito a nove horas a pesquisar informação do mundo vinícola na internet”.

6. SEJA AUTÊNTICO

Gary Vaynerchuk é uma pessoa bastante diferente do normal. Não só pela maneira como vê o mundo, mas da maneira que lida com o público. Ele é expontâneo, fala o que quer e não gosta de cumprir protocolos. “Começo os meus videos de maneira muito efusiva. Eu sei que à partida perco 12% da minha audiência quando começo assim. Sei que este não é o tipo de apresentação que a maioria dos apreciadores de vinho esperam. Eu queria mudar a abertura do meu programa, mas não sou capaz. Se tento baixar o tom de voz e tornar-me apelativo para esses 12%, posso garantir que tudo o que construí até agora começa a desmoronar-se”.

O que mais irrita Gary é quando lhe perguntam que microfone ou câmara de filmar ele utiliza. “Não entendo porque as pessoas se preocupam com isso. O seu conteúdo não tem nada a ver com os aparelhos que você usa. Quando comecei a gravar, pedi a um empregado que fosse comprar uma câmara barata da sony, que na altura custava 200 dólares. Quando as pessoas assistem ao programa o que eles vêm é a minha cara e pouco mais”.

Outro dos pontos que este empresário analisa quando fala da autenticidade é a paciência. De fato, a pressa das pessoas em atingirem o sucesso em qualquer negócio é algo assustador. Gary dá o exemplo de pessoas que lhe enviam emails reclamando que não conseguem ter sucesso com o seu negócio. “Elas reclamam dizendo que não têm sucesso. Aí eu pergunto há quando tempo no negócio e elas respondem-se seis semanas. Seis semanas? Não se constroem negócios em seis semanas, nem em dois meses, nem em seis meses. Se me contactar sem ter passado um ano de ter iniciado o seu negócio para se queixar que não fez o dinheiro que pensava que fazia, significa que não deu ouvidos ao que eu disse”.

7. FAÇA COM QUE O MUNDO PRESTE ATENÇÃO

Tal como referi no artigo sobre as 40 formas de promover o seu trabalho, é importante fazer com que o mundo preste atenção naquilo que você está dizendo. Percebo que o seu conteúdo possa ter enorme qualidade e que mais tarde ou mais cedo o sucesso acabará por surgir. Mas até lá? Vai ficar continuando a escrever para ninguém ver? Ficam alguma dicas dadas por Vary no seu livro Crush it! que o podem ajudar:

  • Publicidade: Com o aparecimento do Facebook e do Twitter, pensamos que já temos nesses sites a nossa forma de divulgação e que já não precisamos de gastar em publicidade. Completamente falso. A publicidade continua a ser essencial para os negócios, principalmente numa fase inicial
  • Convites para conferências: Falar em público é um medo que, à partida, todos temos. Mas esta é uma das formas mais eficazes de divulgar aquilo que faz
  • Venda a varejo: Pense no ramo em que está. Será que não poderia criar um produto para vender? Faça isso e promova no seu site. Todo o dinheiro que entrar é lucro e ainda divulga o seu trabalho
  • Artigos de opinião: Esta é outra das dicas dadas por Gary e que também já aconselhei aqui no blog. Faça guest-posts ou tente aparecer na mídia gratuitamente
  • Livros e televisão: Agarre em todo o conteúdo que tem e faça um livro. Se tem um videoblogue, experimente tentar vender algum do seu conteúdo para a televisão
  • Consultoria: Se percebe muito de um assunto, com certeza poderá outras pessoas a melhorarem nesse aspeto

8. APRENDA A ADAPTAR-SE

Segundo Gary, é neste ponto que muitos empresários falham. Se quiser ser uma pessoa de sucesso, necessita de se adaptar às mudanças constantes, principalmente se vive através da internet. “É verdade que por mais empenhados, obcecados e orientados para um objetivo que os empresários estejam, também têm de estar dispostos a praticar aquilo que eu chamo “negócio por reacção”, o que no fundo tem a ver com estarem dispostos e serem capazes de se adaptarem e de mudarem”.

Temos vários exemplos de empresas que começaram com um produto e acabaram fazendo sucesso com outro. A Colgate começou a vender velas e acabou a comercializar pastas de dentes. O Twitter era para resolver um problema da empresa e acabou sendo uma das melhores redes sociais do mundo. O problema é que muitos empresários preferem ver essa mudança como um problema, em vez de verem isso como uma oportunidade de negócio.

9. O LEGADO É MAIS IMPORTANTE DO QUE O DINHEIRO

Antigamente, apenas as pessoas com exposição mediática tinham de se preocupar com a sua imagem. Antes de aparecerem nas câmeras, colocavam quilos de maquilhagem. Qualquer caso mais problemático era escondido pelas suas agências de publicidade. Esses tempos terminaram. Se uma pessoa famosa comete algum erro, no dia seguinte todos sabemos.

Por isso, você não deve pensar apenas no dinheiro. Também é importante a forma como você é visto pelo público. Se algo acontece de bom é idolatrado. Se algo é mal gerido, já não tem onde se esconder. Daí que o legado que você deixa seja muito mais importante que o dinheiro que ganha. Essa fama é que o fará ganhar dinheiro e mantê-lo no topo e nunca o contrário.

10. O MOMENTO É AGORA

Ficar adiando constantemente a mudança de vida é apenas uma desculpa para não o fazer. Com as oportunidades que são dadas pela internet, se você quiser passar a fazer o que realmente gosta, poderá tornar isso realidade de um momento para o outro. Contudo, existem princípios que deve seguir. “Se existe uma mensagem que quero que leve consigo é que o verdadeiro sucesso – financeiro, pessoal e profissional – assenta, acima de tudo, no amor pela sua família, no trabalho árduo e em viver a sua paixão”.

O Gary Vaynerchuk é, a meu ver, uma das pessoas que mais tem marcado a internet nos últimos anos. Ele é carismático, sabe do que fala e sabe como lidar com as pessoas. O seu livro Crush it! foi um dos que mais prazer me deu a ler. É escrito de um modo simples e leva-o à prática mal termina a última página. Como empresário ou freelancer, é importante perceber todos estes pontos. Sem eles dificilmente terá sucesso na internet. Se ainda não conhecer o Gary, aconselho que pesquise um pouco no Youtube ou no Google. Pena que existam poucas matérias em português, mas quem perceber de inglês, ficará maravilhado com tudo o que ele tem para dizer. Ouvi-lo não é tempo perdido, mas sim investido.

E você, já conhecia o Gary Vaynerchuk? O que achou destes pontos?

Abraço e até já caros leitores

Luciano Larrossa
Escola Freelancer


Como combater o sedentarismo no seu trabalho de freelancer

Ficar na frente do computador o dia inteiro, faz parte da vida de qualquer freelancer. É muito fácil cair na tentação de ficarmos sentados horas consecutivas, sem que o nosso corpo seja obrigado a qualquer movimentação. Isso faz com que o sedentarismo comece a fazer parte da vida de um freelancer, sem que ele mesmo dê conta disso. Quando comecei a trabalhar em casa, tive bastante dificuldade durante os primeiros dias, até que conseguisse ser tão produtivo quanto era no meu antigo emprego. Foi uma batalha difícil (mais difícil do que pensava), mas aos poucos fui detentando alguns erros que estava cometendo. Um deles foi o sedentarismo. Tornou-se muito fácil esquecer que existia um mundo “lá fora” e o exercício era algo realmente importante na minha vida.

Quando escrevi o artigo sobre as 10 coisas que deve eliminar da sua vida para ser mais produtivo, referi rotinas que poderia eliminar para conseguir concluir o seu trabalho mais rapidamente. Mas a verdade é que também existem outros fatores que você pode acrescentar para garantir que as suas tarefas sejam realizadas. E fazer exercício é com certeza, um deles. Além de cuidar da sua saúde, permite que tenha maior disciplina pessoal e aumenta a sua criatividade. Se está a pensar em começar a fazer esporte regularmente para combater o sedentarismo, aconselho que dê uma leitura em alguns artigos da Escola Psicologia para que se sinta melhor preparado para esse desafio:

COMO POSSO COMEÇAR?

Existem claramente dois problemas para quem quer combater o sedentarismo: começar e manter. Se por um lado, muitas pessoas gostam de adiar esta mudança dizendo “vou começar amanhã”, outras até conseguem começar, mas têm dificuldade em ser constantes, acabando por desistir de fazer exercício ao fim de algumas semanas. Ao assumir este compromisso consigo, é importante que tenha na sua mente que esta é uma meta como outra qualquer, tal como conseguir mais fãs no Facebook ou escrever um texto criativo. Clientes ou blogues você pode ter muitos, mas corpo tem apenas um.

Para combater o sedentarismo, o primeiro passo é comprometer-se consigo mesmo. Lembra-se de ter-lhe dito para definir objetivos para 2012? Considere “combater o sedentarismo” como um deles. De seguida, vou lhe dar algumas dicas do que pode fazer para aumentar as suas probabilidades de ter sucesso nesta sua meta:

sedentarismo

COLOQUE UMA IMAGEM NO FUNDO DO AMBIENTE DE TRABALHO

O local para onde olha mais vezes durante o seu dia, é com certeza o fundo do ambiente de trabalho. Em vez de ter uma imagem sem qualquer significado, experimente inserir a imagem de um esportista ou da sua lista de objetivos. Esta é uma excelente forma do seu cérebro se lembrar constantemente daquilo que quer. Se quiser ideias, dê uma vista de olhos ao nosso artigo sobre os 16 wallpapers para manter a sua motivação no trabalho.

Para que entenda melhor, vou lhe dar um exemplo mais prático. Este ano coloquei como meta trocar de carro no final de 2012. Por isso, inseri uma imagem no fundo do ambiente de trabalho. Desta forma, cada vez que fico um pouco mais preguiçoso e começo a vaguear na internet, vejo aquela imagem e volto a motivar-me para chegar ao meu objetivo.

FAÇA UM PLANO DE TREINO

Tal como no trabalho de freelancer, durante a pratica de exercício físico é importante saber onde quer chegar. Quer correr durante uma hora? Ou pretende pedalar durante 10 Km’s consecutivos? Esta é também outra das formas de manter-se mais motivado. Ao saber onde quer chegar, ganhará algumas forças extra sair da cama e ir fazer algo para combater o seu sedentarismo. Se achar necessário, fale com algum profissional da área para que lhe consiga dar uma melhor orientação.

TENTE ENCONTRAR ALGUM PARCEIRO

Uma das maiores dificuldades quando começamos a combater o sedentarismo é que mais uma vez estamos a fazer uma tarefa..sozinhos. A vida de freela já é isolada o suficiente. Por isso quando for fazer exercício, considere fazer esta tarefa juntamente com um amigo. O tempo passa bem mais rápido e quando a preguiça chegar, um poderá ajudar o outro.

INSCREVA-SE NUMA ACADEMIA

Para quem corre na rua, torna-se mais fácil desistir porque não terá uma grande perda com isso, apenas o tempo que investiu até agora. Se estiver pagando uma mensalidade, a obrigação de fazer render o dinheiro que está gastando torna-se maior. Na sua cabeça, existe uma motivaçãoobrigatória para fazer exercício. Contudo, aconselho que tome esta atitude apenas em último caso, pois algumas pessoas não vão à academia mesmo que estejam pagando por isso..

ESCOLHA UMA HORA DO DIA PARA FAZER EXERCÍCIO

A tendência normal é acharmos que o exercício físico é algo que devemos fazer só quando o principal (o trabalho), terminar. Este pensamento habitualmente deixa a corrida ou o jogo de ténis como última atividade do dia. O que acaba acontecendo quando o trabalho aperta? Ficamos sem actividade física. Para evitar estas situações, experimente colocar esta sua meta para as primeiras horas do dia. Sei que durante o Inverno não é fácil sair da cama para dar aquela corrida de meia-hora, mas faça um esforço. Diga para si mesmo: “Basta calçar os ténis e ir para a rua”. Depois de estar fora de casa, torna-se quase impossível regressar à cama.

FAÇA INTERVALOS CONSTANTES

De quanto em quanto tempo você faz um intervalo para esticar as pernas? Saber responder a esta questão é essencial. Defina qual e o seu período máximo de trabalho consecutivo e depois disso, faça uma pequena pausa. Vá esticar as pernas, visite o Facebook ou beba um café. Aconselho isto porque o nosso cérebro tem uma capacidade de concentração limitada. Algumas pessoas aguentam apenas vinte minutos, outras chegam a uma hora. Mas depois disso, a sua capacidade de trabalho já não estará no máximo. Tente descobrir qual é o seu período máximo de concentração e depois disso descanse. A Técnica de Pomodoro pode dar-lhe uma excelente ajuda nesse aspeto.

COMECE E TERMINE BEM O DIA

Retire da sua cabeça aquela ideia pré-definida que você deve fazer exercício apenas durante um momento do dia. E que tal começar com uma corrida e terminar com uma aula de yoga? Esta é uma excelente de forma de facilitar a vida àquelas pessoas que gostam de trabalhar mais horas pela manhã e por isso não têm muito tempo para investir em exercício durante esse período.

FAÇA ALGO DIVERTIDO

Não gosta muito de correr? Então essa não deve ser uma opção para as suas atividades. Por mais que este género de exercício seja benéfico, se o fizer contrariado acabará por desistir mais tarde ou mais cedo. Tente imaginar um esporte que sempre quis fazer desde novo. Natação? Ténis? Futebol? Nunca é tarde demais para aprender.

E VOCÊ, O QUE FAZ PARA COMBATER O SEDENTARISMO?

Trabalhar como freela também faz bem para a saúde. O fato de você ter que se habituar a vários clientes ou a um número infinito de trabalhos, obriga-o a utilizar o máximo das suas capacidades mentais. Mas a nível físico, deixa um pouco a desejar. Mas cabe a si driblar esta dificuldades. Afinal, trabalhar como freelancer não é algo perfeito, mas cabe a si torná-lo o mais perfeito possível.

E você, costuma fazer atividade física? Como fez para enquadrar o exercício na sua rotina? Quantas vezes por semana faz esporte?

Abraço

Luciano Larrossa
Escola Freelancer


10 coisas que pode eliminar da sua vida para melhorar a produtividade

Quando falamos em produtividade, a primeiro ideia que vem à cabeça da maioria das pessoas é fazer um maior número de tarefas num espaço de tempo mais reduzido. Nada de errado, mas a verdade é que esta palavra tem muito mais do que uma simples definição. O tema da produtividade é muito complexo, e por esse motivo muitas pessoas falham quando tentam ser mais eficazes enquanto estão a trabalhar. Podem saber o seu significado, mas dificilmente conseguem-nos dizer como melhorar a sua produtividade pessoal.

Existem várias formas de a conseguir melhorar. Pode utilizar softwares como o Rescue Time, técnicas como a de Pomodoro ou então seguir princípios como a Lei de Pareto. Enfim, não existe apenas uma forma de ser mais produtivo, mas sim vários princípios, que devem ser aplicados a cada pessoa. Por exemplo, eu poderei conseguir adaptar o meu dia-a-dia à Técnica de Pomodoro, mas você pode conseguir trabalhar melhor com os Zen Habits.

Um dos erros que você pode cometer quando pensa em melhorar a sua produtividade é agarrar num livro ou num método, e tentar reproduzi-lo no seu dia-a-dia de forma rígida. Esse foi um dos erros que cometi no início da minha carreira. Se um método me dizia para não abrir o email pela manhã, eu não o fazia, mesmo que o meu trabalho exigisse isso. Com o tempo, fui percebendo que as técnicas servem para nos ajudar, mas que também devem ser adaptadas à nossa rotina.

ELIMINAR É A MELHOR FORMA

É impressionante como a evolução do mundo tem nos levado a acreditar que necessitamos de ter muitos acessórios para sermos felizes ou para conseguirmos trabalhar. Na verdade, se experimentarmos eliminar muitas das coisas que nos distraem, conseguimos verificar que talvez nunca chegamos a precisar delas. Se pensarmos bem, os nossos pais e avós conseguiam viver com bem menos do que nós, sem deixarem de ser felizes.

Como disse anteriormente, a produtividade é algo muito complexo. Mas uma das formas de torná-la um pouco mais simples é eliminar tudo o que esteja a mais na sua vida. Ou seja, no seu dia-a-dia com certeza irão existir certos “ladrões de tempo”, que o estarão a fazer perder minutos preciosos sem que dê por isso. Hoje, vou lhe dar exemplos de dez fatores que podem estar a prejudicá-lo e que se você quiser ser mais produtivo, considere eliminá-los do seu dia-a-dia ou pelos reduzir as suas horas de utilização.

eliminar distrações

1. TELEVISÃO

Foi uma das pequenas mudanças que fiz na minha vida. Há cinco anos, deixei de ter televisão em casa. É claro que por vezes posso sentir falta, principalmente quando tenho visita em casa. Mas a verdade é que ficar sem televisão pode fazê-lo perder menos tempo com programas sem interesse ou com noticiários que apenas lhe dão noticias negativas e que o deixam mais desmotivado. Ainda por cima, podemos acompanhar na internet em vários sites os programas que mais desejamos.

Se está com problemas com a sua produtividade, considere deixar de ver televisão. Os primeiros dias parecem bastante estranhos, mas depois verá que passa a se acostumar com essa realidade. Se não quiser excluir por completo, reduza as suas horas por dia em frente ao ecrã.

2. ROUPAS

Ter muitas roupas, significa perder mais tempo a escolher o que vestir. O meu conselho é que faça uso da Lei de Pareto. Ou seja, veja os 20% das roupas que mais utiliza e faça uma boa acção com as restantes. Doe para África ou para sem-abrigo, por exemplo. O mundo atual levou-nos a ser mais consumistas, mas a verdade é que muitas das coisas que consumimos quase não usamos. Se quiser saber um pouco mais sobre o tema, aconselho que dê uma leitura neste artigo do blog Efetividade sobre organizar o guarda-roupa com um método científico.

3. COMIDA

Para quem vive sozinho, sabe que a tentação de ter refeições fora de casa é grande. Torna-se monótono cozinhar apenas para uma pessoa. Contudo, acabamos por perder demasiado tempo em filas ou deslocações para restaurantes, para não falar no dinheiro a mais que acabamos por gastar. Se quiser ser mais produtivo e perder menos tempo, organize-se em casa para fazer uma lista com as suas refeições para a semana. Assim, quando for ao supermercado já saberá o que comprar, evitando o desperdício de alimentos que nunca vai consumir.

4. GADGETS

Com o crescimento da Apple e principalmente dos gadgets, as pessoas parece que começaram a sentir a necessidade de comprarem todos os que existem no mercado. Têm Ipad, Iphones ou Nintendos. Mas a verdade, é que acabam não tendo tempo para utilizarem todos. Por outro lado, será que todos eles são assim tão úteis e há necessidade de adquiri-los? Até que ponto eles são essenciais para o seu trabalho de freelancer? Se está com problemas de produtividade, pondere ficar sem alguns desses gadgets que apenas adquiriu para experimentar.

5. COMPUTADOR

Se você trabalhar como freelancer, o computador será, sem dúvida, uma ferramenta de trabalho bastante útil. Por isso, dificilmente será possível removê-lo completamente da sua vida. Contudo, poderá sempre tentar diminuir o tempo que passa à frente dele.

Para que perceba melhor, vou lhe dar um exemplo. Quando comecei a trabalhar apenas em casa, tornou-se muito fácil perder horas durante a noite à frente do computador. Com isso, acabava por me deitar as três ou às quatro da manhã, fazendo com que acordasse mais tarde no dia seguinte e que perdesse completamente o horário habitual de uma pessoa com um emprego “normal”. Por isso, decidi que a partir de uma certa hora e a partir do momento que não tivesse mais trabalho para fazer, desligaria o computador e iria aproveitar o meu tempo para outras coisas. Passei a ler, a ir beber cafés com os amigos ou a fazer algum esporte.

Saber definir que o computador é uma ferramenta de trabalho e não apenas a sua vida, é algo bastante complicado. Quando dá por si, passa horas intermináveis na frente do laptop. Tente fugir a essa tentação. Escolha uma hora para sair do computador e ligue-o apenas no dia seguinte. Verá que estará muito mais concentrado e produtivo nas suas horas de trabalho.

6. CARRO

Andar de carro fá-lo chegar mais rápido a qualquer local. No entanto, acabamos por tornar tão banal a sua utilização, que começamos a utilizá-lo para distâncias curtas, que poderiam facilmente ser feitas a pé. Mas até que ponto andar mais sem o carro, pode melhorar a sua produtividade? Isso é possível porque o trabalho de freelancer é muito sedentário. Se aproveitar as curtas viagens que faz de carro, poderá exercitar o seu corpo, evitando doenças ou tempo a mais no ginásio.

7. CELULAR

O celular também é algo bastante útil para qualquer freelancer. Não poderemos viver sem ele, pois é uma forma dos nossos clientes entrarem em contato. Mas podemos reduzir a sua utilização. Aconselho a fazer isso quando estiver concentrado a escrever um bom texto ou a promover o seu trabalho. Este foco naquilo que está fazendo, ajuda-o a fazer as tarefas em menos tempo. Receber chamadas sem interesse profissional podem desconcentrá-lo e interromper aquilo que está fazendo.

8. MOBILIÁRIO

Ter mobiliário a mais em casa, significa ter mais locais para colocar os seus papéis. Isso gera maior desorganização, ficando sem saber onde guardar tudo o que necessita. Ter um ambiente de trabalho o mais simples possível, ajuda em muito a sua produtividade. Se estiver com dificuldades em organizar o seu escritório, aconselho que dê uma leitura do nosso artigo sobre as 8 dicas para organizar o ambiente de trabalho.

9. LEITURA

A leitura é uma excelente forma de renovar os conhecimentos, mas muitas vezes perdemo-nos em revistas ou livros que pouco interessam para a nossa vida profissional. Ser mais produtivo não é apenas sinónimo de trabalho, mas também em aproveitar de uma forma eficiente o tempo da sua vida. Se quiser aumentar os seus conhecimentos de um modo mais rápido, considere analisar tudo aquilo que lê e dedicar-se apenas àqueles livros ou revistas que realmente o ajudam a ser um freelancer de melhor qualidade. Por vezes, ser ignorante pode ajudá-lo a ser mais produtivo.

10. REDES SOCIAIS

Este é um dos temas mais falados aqui no blog, mas nunca é demais relembrar. Perder tempo no Facebook ou no Twitter é cada vez mais comum nos dias de hoje. É certo que as redes sociais são essenciais para o seu trabalho, quer seja para divulgar o seu trabalho bem como para interagir com os seus fãs. Eu próprio perco bastantes minutos do meu dia nestes sites. Contudo, é preciso ter bastante auto-controle para gerir bem o tempo que investe. Defina as horas que vai visitar as redes sociais, quanto tempo vai despender lá e o que vai fazer. Seja produtivo até nestes sites!

Para quem trabalha à frente do computador o dia inteiro, pode facilmente perder-se e começar a desperdiçar o seu tempo em coisas pouco úteis. Estes dez pontos são, regra geral, os que roubam mais tempo no nosso dia-a-dia. Por isso, pondere reduzi-los ao máximo. Alguns poderá eliminar completamente, outros apenas reduzir. O mais importante é adaptar à sua realidade. Lembre-se: nenhum técnica de produtividade deve ser aplicada na íntegra, mas sim adaptada à sua rotina.

Abraço e bom trabalho

Luciano Larrossa
Escola Freelancer